Notícias

SETEMBRO AMARELO: Uma rotina diária de valorização da vida

  • 20180115-folder-do-projeto-frente
  • 20180116-folder-do-projeto-verso
Categoria:

Uni7 Informa

0

Por meio das redes sociais, voluntários divulgam 30 desafios cotidianos de conscientização e prevenção ao suicídio

Os pequenos prazeres diários são meros detalhes frente à rotina frenética de muitas pessoas. Mas, podem fazer toda a diferença quando se trata de contemplar nossa existência e der sentido a ela. Na campanha “Desafios da Vida”, idealizada pelo Ministério Público do Estado do Ceará (MPCE), todo o mês de setembro foi tempo de propagar, regularmente, atitudes de conscientização e prevenção ao suicídio.

A ação é uma continuidade do programa Vidas Preservadas, lançado em abril deste ano, em parceria com Centros de Apoio Operacionais (CAOCIDADANIA, CAOPIJ, CAOMACE e CAOCRIM). Do dia 1º até o dia 30, voluntários postam em suas redes sociais práticas que podem ser feitas e divulgadas em rede.

Entre os desafios estão ver o pôr do sol, reservar cinco minutos para meditação, dançar do jeito que bem entender e manter e propagar pensamentos positivos. Além da divulgação em fotos, vídeos feitos pelo tradutor de libras Hand Talk e áudios gravados pelos jovens da Rede Cuca estão disponíveis para pessoas com deficiência auditiva e visual.

Um dos desafios diários da campanha. Quem aceita o desafio publica uma foto nas redes sociais (Foto: Divulgação)

O procurador Hugo Mendonça, um dos coordenadores do projeto Vidas Preservadas, relata como foi pensar na ideia do Desafios da Vida. “Começamos uma rotina de reuniões com todos os parceiros para discutir o que fazer e as estratégias para falar sobre suicídio na nossa sociedade da maneira correta, induzindo a prática de políticas públicas que sejam efetivas para uma mudança dessa realidade”.

Por meio da internet, desafios virais como o jogo da Baleia Azul e o Desafio da Momo chamaram atenção por conduzir jovens a brincadeiras ameaçadoras. Rogério Maia, jornalista e um dos elaboradores da campanha, sugeriu algo que se desviasse desse propósito e se aproximasse do Vidas Preservadas.

Sua experiência com a juventude por meio da Rede Cuca, onde trabalhou, ajudou na construção da ideia. “Quando nos reunirmos para pensar em atividades e programações para o mês do Setembro Amarelo, cheguei e disse: ‘Gente, em paralelo a essas brincadeiras perigosas, vamos fazer neste mês desafios do dia a dia para a internet? Só que desafios do bem, algo que seja proveitoso’”.

Rogério é um dos voluntários que divulgam (e praticam em alguns momentos) os Desafios da Vida em suas redes sociais, como Facebook e Instagram. Além dele, a jornalista e professora do Centro Universitário 7 de Setembro (UNI7), Ana Márcia Diógenes, que se auto define como “militante da felicitância”. Faz questão de militar pela causa, tendo como resposta reações inesperadas.

A professora contou um desses casos. “Faço parte de um curso de bordado e perguntei às pessoas quem queria receber. Uma das colegas disse que gostaria. Quando mandava um pouquinho mais tarde ela já perguntava: ‘Ana Márcia, cadê?’ Pois ela já havia criado outro grupo, com mais de 70 pessoas, que, quando posto no grupo que criei para o Vidas Preservadas ela compartilha a frase nesse outro grupo dela”.

DE OUTUBRO EM DIANTE

As ações não ficarão apenas para o mês do setembro. Estabelecido como programa, o Vidas Preservadas poderá ter mais campanhas de mobilização, de acordo com Hugo Mendonça: “Nós temos a intenção declarada de transformar o Vidas em um movimento da sociedade, não sendo apenas do Ministério Público. Temos a intenção de ter outras campanhas como essa, certamente usando as redes sociais”.

No dia 20 de outubro, o Ministério Público do Estado contará com a presença do jornalista André Trigueiro, da Rede Globo, para a palestra “Vida em pauta: como tratar o suicídio na mídia”. O evento será realizado no auditório da Procuradoria-Geral de Justiça de Fortaleza.

Para Ana Márcia, o que ficou dos 30 dias de setembro foi um grande vínculo entre diferentes partes. “Acho que criou um grande movimento que não foi feito com foco no Setembro Amarelo, mas apenas um potencial para gerar uma mobilização maior. Agora em outubro vamos começar a discutir os próximos passos que, com certeza, serão criativos e cada vez mais abrangentes”.

TEXTO: Jonathan Silva (6º semestre – Jornalismo/UNI7)
FOTOS: Divulgação

Tags: , , , , , , ,

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *