Notícias

MANUAL: Ex-aluno da UNI7 destaca o papel da mídia em direitos humanos

Categoria:

Uni7 Informa

0

O jornalista Jair Mello, do Terre des Hommes, destacou o papel dos profissionais da imprensa na promoção dos direitos das crianças e dos adolescentes

Para conscientizar profissionais da mídia e instruí-los em abordagens a pautas de crianças e adolescentes, o Instituto Terre des hommes Brasil, elaborou o manual ‘Comunicação e Direitos Humanos: Infância e Juventude em Pauta’. O jornalista e assessor de comunicação do instituto, Jair Mello, apresentou e detalhou o manual aos alunos das disciplinas Legislação e Ética em Jornalismo e Jornalismo Especializado II, na última segunda-feira, 8, no Centro Universitário 7 de Setembro (UNI7). Ele explicou a produção do manual, o objetivo de sua criação e cada temática nele abordada.

O assessor do Terre des Hommes, afirma estar divulgando o manual em outros centros universitários, além da UNI7

Convidado pela professora Vânia Tajra, da disciplina Legislação e Ética, ele relacionou o manual a um fazer jornalístico mais responsável e ético. O intuito do manual, segundo Jair, é sensibilizar o profissional para este tema, fazê-lo agir de forma sensata, respeitar e promover os direitos das crianças e dos adolescentes. Ele diz que as coberturas precisam ser humanizadas e não reproduzidas com uma forma de ódio ou de insatisfação. Para Itallo Emídio, do 4º semestre e aluno da disciplina, é necessário ter a existência desses tipos de materiais, que orientem a como trabalhar com tais assuntos e a como escolher expressões certas na hora da escrita. O público-alvo são os editores, repórteres, produtores, assessores, professores, estudantes, parlamentares e parceiros estratégicos.

Jair criticou programas e jornais que exibem a identidade do menor ou de sua família. Ele salienta que o jornalista deve buscar uma linguagem adequada e responsável para usar no meio de comunicação. “Como essa linguagem vai tratar de forma responsável (determinado assunto) respeitando os direitos humanos?”, indaga. A professora Vânia Tajra também fez sua colocação, ao dizer que é em vão, não mostrar a criança ou o adolescente, se a família for identificada, se “entrevistou o pai, a mãe, o tio… disse tudo”.

O manual é dividido em duas partes: Direitos Humanos, Direitos Fundamentais e Direitos da criança e do adolescente e Infância e juventude na mídia. Apresenta o histórico dos direitos básicos e uma instrução para a cobertura mais humanizada na mídia. Traz também assuntos como a violência sexual, a educação sexual e o trabalho infantil, além de racismo, crianças em situações de rua, em conflito com a lei, adoção e saúde mental. Durante a leitura, é possível encontrar dicas de pautas dentre os temas dados, orientações para os jornalistas, significados de termos, como exploração sexual entre outros.

Para Jair, abordar temáticas como o suicídio, significa mostrar a realidade e a necessidade da sociedade atual

Dentre as orientações do manual estão tabelas que sinalizam termos usados de forma errônea e indicam a usar os termos corretos. Explica também a questão da identidade gênero, as diferenças e os conceitos e traz informações para contato e endereço de instituições de apoio ao sistema de garantia de direitos, no Ceará, como o Centro de Atenção Psicossocial (Caps) e delegacias especializadas em Fortaleza.

Para fazer download da versão digital do manual, clique aqui.

Texto: Bruna Ramos (4º semestre – Jornalismo/UNI7)
Fotos: Rinaldo Duarte (com edição de Everton Silva)

Tags: , , , , , , , ,

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *